sábado, 3 de abril de 2010

RITUAL SAGRADO DE VIDA E MORTE

 Aqui e ali, eu continuo a renascer.
E convido-vos a participar deste sagrado ritual,
onde efêmeras e oníricas, as fadas esvaecem.
não há templos, nem muros de pedras.
Trazeis libertas as almas e serenos os corações.
Perfumados incensos. Raminhos de alecrim.
Se ao meu lado ficarem, untarei vossos corpos
com o óleo das rosas vermelhas do bosque.
Revelar-vos-ei os caminhos secretos das florestas,
e as grutas encantadas, abrigos de delicados pirilampos.
Percorreremos rios que escondem serpentes aladas,
e mares que guardam gigantes cavalos-marinhos.
Seguiremos ao encontro de translúcidas medusas.
Comeremos verdes algas. Beberemos o vinho musgal.
Iridescentes conchas de madrepérolas servirão de taças. 
Entre pérolas, saudaremos os Nagas ressuscitados.
A viagem parecerá longa. Mas... O éden é atemporal.
Encantados, eis que renasceremos do fundo do mar...
De volta à Terra, encontraremos uma frágil criança a chorar.
Débil folha seca, pendurada nos braços da mãe faminta!
Um velho, esquálido e sedento, sugará o derradeiro cacto.
Nós, ressuscitados, seremos a chuva, o leite, o mel.
Juntos celebraremos a vida e carpiremos a morte.
Até a última gota das nossas salgadas lágrimas.


Kátia Drummond
The Travelling Poet

 Arte: Arthur Rackham





2 comentários:

simone saback disse...

Minha reverência, Poeta!

Kanauã Kaluanã disse...

Kátia,

Está firmado!

Quando eu tiver uma filha [meu sonho é ser "mainha"], é este texto que vou ler para ela à beira da cama, em tom de oração encantatória.

Um beijo em tuas mãos.
.
.
.
Katyuscia