domingo, 1 de novembro de 2009



SILÊNCIO NO PELÔ

Ao mestre Neguinho do Samba

Com ternuras e tristezas,
eis toda a minha saudade.
A minha sincera dor.

A dor de todos os sons
que hoje choram no silêncio
dos tambores do Pelô.

Kátia Drummond
The Travelling Poet


Arte: Telma Weber – Artista plástica natural de Cachoeira, Bahia, Brasil.

Um comentário:

Kanauã Kaluanã disse...

Quando tambores silenciam, a reverência toca com toda a intensidade.
Saudade é nota que se faz ouvir além, é batuque rompendo barreiras de tempo, corpo e espaço.

Um abraço, querida Kátia.