segunda-feira, 27 de julho de 2009


A CIGARRA

Caem folhas e oitis
Rasgando o silêncio atroz
A outonal cigarra atriz
A engendrar a própria morte
Parece cantar feliz.


Katia Drummond
Num março outonal. Salvador, Bahia.


Foto: Shutter Hand

Um comentário:

Kanauã Kaluanã disse...

Só a poesia para ter este olhar sobre as desexistências!

Um ritual que a natureza entende bem.
E belo é o canto que antecede o desexistir para existir de outro modo, como a folha que caíra e será adubo para novas sementes.

Um beijo à poetisa, com imensa saudade.