domingo, 11 de fevereiro de 2007


ANJO À-TOA

Não busque no meu corpo a carne, a chama.
Nem veja no meu rosto uma consagração qualquer.
Eu sei que sou um anjo à-toa nesse mundo.
Um tiro certo, um poço fundo,
um precipício aberto, uma mulher.
O que é que eu faço dessa sensação estranha,
que me persegue e me apanha,
e me vira pelo avesso,
que não tem fim nem começo
e me faz o que bem quer?
O que é que eu faço dessa sensação perdida,
desvairada, enlouquecida,
displicente, amargurada,
se o meu sorriso anda tão comprometido
e se a gente passa e pensa,
sem recompensa, sem nada?
Eu quero ser seu anjo,
à-toa e vagabundo,
seu mistério o mais profundo
e você vem quando quiser.
Se você quer morrer de amor,
morrer de vício,
eu quero ser seu precipício,
seu amor, sua mulher.

• Poema: Kátia Drummond
• Música: Tamir Drummond
• Foto: Damir Frkovic
• Arranjo, voz e violão: Sávio Drummond

Link:
value="http://www.youtube.com/v/b_yDuLRdtho">
type="application/x-shockwave-flash" width="425"
height="350">

3 comentários:

Luciana Pessanha Pires disse...

Parabéns pelo blog, pelos poemas e pela música excelente. Gostei muito. Fernanda me apresentou esse espaço.

Uma curiosidade: qual é o procedimento para inserir filmes nas postagens?

Abraço

Iara disse...

Saisfação imensa em descobrir você a autora de Anjo à-toa. Ouvi Dércio cantar essa maravilha uma única vez, gravei de maneira torta e tento ouvir, às vezes. Agora vejo-a cantada por seu filho (suponho).
Grande alegria, Ka´tia. Obrigada por isso.
Seus poemas são primorosos, admiráveis e cativantes. Sempre passarei por aqui e indicarei para outros poetas.
Valeu!
Grande abraço

Iara

Iara

katia disse...

Sou suspeitíssima pra comentar, mas... puxa vida, Sassau, fico emocionada a cada vez que ouço o Anjo À-toa na sua voz.
Super obrigada!
Beijos de amor de pteropas-mãe-peregrina.