quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

DIVINA CRUELDADE

Peço a Deus…
Que me mostre o outro lado.
Que me livre deste fado
de viver longe de ti.

Peço a Deus...
Pelo seu poder divino,
pela força do destino
e do canoro bem-te-vi…

Peço a Deus…
Espírito que me guía,
criador e minha cria,
pela fé que eu não perdi.

Peço a Deus…
Que deixe de crueldade!
Que mate a minha saudade
e me devolva o meu guri.


Kátia Drummond

Foto de Savio Drummond, por Tamir Drummond

2 comentários:

João Esteves disse...

Percebo em seu Divina Crueldade principalmente um ritmo que acena interesantes promessas, que é só eu voltar pra conferir na próxima ocasião.
P a r a b é n s

« Katyuscia Carvalho » disse...

Katia, li isso hoje num perfil de um amigo no facebook, e teu poema me fez lembrar:

"Eu não aceito a morte do meu filho e outras coisas que me aconteceram. Estou cheio de fel? Ledo engano: minha resistência me trouxe energia e compreensão."
[Roberto DaMatta]